Avançar para o conteúdo principal

Abril...

Neste mês que é o de Abril, festeja-se a liberdade... de expressão, festeja-se todas as liberdades.
Por isso deixo aqui um excerto de um texto que faz parte de uma peça para ser feita em Abril.

"(No palco está um cenário a preto com um cravo vermelho pintado, luz negra entre cada cena, narradores vestidos de pretos, eventualmente com um apontamento de vermelho, umas luvas por exemplo)

- Hoje, vamos festejar Abril...
- ... hoje vamos festejar a vida, a tua, a minha...
- ... a nossa, a vossa liberdade de poder afirmar eu sou...
- ... eu e estou de bem com a vida.
- Não há cá vai - se andando, aqui, só se vai estar sempre bem.
- Porque é bom poder dizê-lo aos sete ventos...
- ... gritar para quem quiser ouvir...
- ... adoro viver!
- Sem repreensões, sem dúvidas que exista alguém na sombra de cada esquina, que coloque em dúvida quem somos e o que fazemos.
- Esta, é a nossa missão esta noite, ainda que por vezes impossível...
- É sempre bom poder sonhar com um mundo melhor...
- É sempre bom poder sonhar...
- “Que o mundo pula e avança, como uma bola colorida, por entre as mãos de uma criança. “

(Cantar/ Dançar "Pedra Filosofal "– António Gedeão)

- Agora com as almas já aquecidas pelo calor da música...
- Vamos ao concreto e ao propósito de nos reunirmos hoje nesta sala.
- Não estamos aqui para pedir dinheiro...
- ... estamos cá para alertar consciências...
- ... para vos dar conhecimento do rumo que a expressão e a sua liberdade pode tomar quando erramos...
- ... ainda que sem intenção, ignorando o passado.
- Querendo no presente ocultar o que outros fizeram...
- ... para que hoje possamos gozar do nosso próprio á vontade nas questões básicas da vida.
- Desde a política, á vida social, poder decidir ou não...
- ... se estamos bem ou mal e se queremos mudar algo na nossa vida.


(Cantar "Muda de vida" – António Variações)


- O que esta noite parece algo de comum...
- ... nós aqui deste lado, dando-vos um pouco daquilo que cada um de nós sabe fazer...
- ... e desse lado, a partilha de opiniões...
- ... a critica construtiva...
- ... que para nós é tão importante, era quase inexistente não há muitos anos.
- O que os livros de história não contam...
- ... as emoções, os sofrimentos...
- ... os sorrisos e as lágrimas...
- ... nós hoje vamos contar aqui.

(No fundo da sala está Alferes Gonçalves e é interpelado por um soldado):
Soldado – “Mê alferes, o Rodrigues está, de arma aperrada, á entrada da caserna dos condutores e diz que “limpa” o primeiro que lá quiser entrar. Está muito nervoso, fora de si, parece o diabo em pessoa. Ai que desgraça!

(O Alferes dirige-se para o corredor entre o público e o soldado vai atrás dele dizendo):
Soldado – Onde é que vai mê alferes? Olhe que ele mata-o.

(Sem dar ouvidos avança, ainda que á cautela. Soldado Rodrigues está de arma apontada a ele, chora e treme dizendo):
Rodrigues – Não avance meu alferes, olhe que eu disparo... Vou-me matar, e quem tentar impedir-me, lixo-o, vai á minha frente.

(Dando mais um passo o alferes questiona):
Alferes Gonçalves – Oh Rodrigues, deixa-te de merdas, tens alguma coisa contra mim, tens algo contra alguém, tens razão de queixa dos teus camaradas?

Rodrigues – Não avance, meu alferes, não avance, merda... Olhe que eu disparo.

(Na sala estão alguns soldados a observar a situação. O alferes Gonçalves avança para Rodrigues decidido, embora cauteloso dizendo):
Alferes Gonçalves – Vais entregar-me essa merda dessa G3... eu vou avançar... (voltando-se para trás para os soldados) e vocês, regressem ás vossas tarefas. Eu e o Rodrigues temos de conversar... Dás-me essa arma?

(Diz estendendo as mãos. Ao receber a arma, os dois homens caiem nos braços um do outro, Rodrigues chorando desalmadamente como uma criança e o alferes Gonçalves fazendo um extremo esforço para não fazer o mesmo.
Os soldados ainda lá estavam, uns suspirando de alívio, outros chorando, quando o alferes volta a dizer):
Alferes Gonçalves – Não ouviram? Regressem ás vossas tarefas! Eu e o Rodrigues vamos conversar.

(Os soldados dispersam)
Alferes Gonçalves – Homem, agora conta-me lá, o que se passou dentro dessa cabeça? Estás com algum problema?

Rodrigues – Ó meu alferes, eu não sei, estou farto disto...

Alferes Gonçalves – Mas olha lá rapaz, quem é que não está?

Rodrigues – O senhor desculpe isto que aconteceu, se me quiserem castigar façam-no, eu sei que mereço. Mas não me conformo, quando sai de Lisboa, tinha prometido ao meu pai, que nada me aconteceria, no entanto desde que cá estou já fui parar á enfermaria quatro vezes, eu não presto para aqui estar.

Alferes Gonçalves – Rodrigues, esquece o castigo, isto morre aqui. Agora deixa-te dessas coisas e vê se te acalmas.

Rodrigues – Obrigado, meu alferes, obrigado por tudo.

Alferes Gonçalves – Obrigado por nada, vamos lá ali beber umas Cucas e esquecer isto rapaz. Vá, vem daí.

(Personagens saem de cena)
- Os momentos de loucura pura e dura, as feridas da alma...
- ... perduram em muitos homens até aos dias de hoje.
- Muitos deixaram de viver as suas próprias vidas...
- ... para embarcarem na viagem ao universo dos fantasmas e sonhos maus.
- Abandonados á sua sorte, pelas famílias e pela sociedade...
- ... muitos são os chamados sem abrigo que habitam as nossas ruas e alguns hospitais psiquiátricos...
- ... a quem nós olhamos de lado com pena e desprezo.
- Quem sabe, um dia tenham algo mais para nos contar...
- ... no dia em que pensarmos pormo-nos na pele deles...
- ... quem sabe acordarão por fim do sonho mau...
- ... e passarão a ser pessoas como nós.

(Canção “Aquele Inverno” – Delfins) (...)"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

Carta ao Jornal "Meia-Hora"

Teatro por amor à camisola...

Quando li o editorial do vosso 1º número, chamou-me a atenção falarem da liberdade de expressão, hoje qualquer um de nós pode falar no próprio tema sem qualquer problema, ou pelo menos pensamos nós que sim.
Precisamente por isso, resolvi escrever-vos. Resolvi propor-vos que façam uma pesquisa e dêem uma oportunidade a quem trava “duras” batalhas pela sua própria liberdade de expressão. De entre muitos que o fazem eu pertenço a um desses grupos, os grupos de teatro amador. Pode até parecer estranho, mas sim, estes grupos lidam todos os dias com as mais adversas dificuldades para pôr de pé um espectáculo por mais pequeno e simples que seja.
Desde orçamentos reduzidos quando não inexistentes, carência de actores e técnicos, tentativas de agradar a “gregos e a troianos” (vulgo público) e uma força de vontade de sonharmos ser um bocadinho maiores do que na realidade somos, de tudo nós temos um pouco.
Quando se fala que existe falta de público para assistir a peças…

Poema sobre o actor e o Teatro...

Vi este poema no blog da minha amigaSónia http://www.sombrasminhas.blogger.com.br/ , como gostei muito, tomei a liberdade de o publicar aqui...

Poema acto III "O actor acende a boca. Depois os cabelos. Finge as suas caras nas poças interiores. O actor põe e tira a cabeça de búfalo. De veado. De rinoceronte. Põe flores nos cornos. Ninguém ama tão desalmadamente como o actor. O actor acende os pés e as mãos. Fala devagar. Parece que se difunde aos bocados. Bocado estrela. Bocado janela para fora Outro bocado gruta para dentro. O actor toma as coisas para deitar fogo ao pequeno talento humano. O actor estala como sal queimado.
O que rutila, o que arde destacadamente na noite, é o actor, com uma voz pura monotonamente batida pela solidão universal. O espantoso actor que tira e coloca e retira o adjectivo da coisa, a subtileza da forma, e precipita a verdade. De um lado extrai a maçã com sua divagação de maçã. Fabrica peixes mergulhados na própria labareda de peixes. Porque o actor está co…