Avançar para o conteúdo principal

Quem somos

Este Grupo foi fundado em 29 de Setembro de 1929 com o nome de Grupo Cénico 22 de Maio por Armando dos Santos, as duas primeiras peças encenadas foram o drama “Na oficina” e a comédia “Os criançolas”.
Entre os anos de 1937 a 1944 as peças que obtiveram maior sucesso foi o drama em três actos representado em Agosto de 1937, “Rosa do Adro”, com a encenação de Armando Santos, as peças “ Castigo Merecido” e “Lucrécia Bórgia”, exibidas em Abril e Maio de 1939 tendo como encenador Alberto Carvalhal , o drama em três actos, o “Bombeiro Voluntário” e a comédia” Efeitos do Foot-Ball”, levadas a cena no mês de Dezembro do ano de 1944 por António Nascimento.
No ano de 1946, Armando Santos encena e é cabeça de cartaz da peça “ Cenas da Vida”.
O drama “ Duas causas”foi apresentado entre Maio e Junho de 1948, “O crime e a punição”, drama de três actos foi levada a cena entre Maio e Junho de 1952, tendo como encenador também Armando Santos.
“Rosa do Adro” volta a ser exibida nos meses de Janeiro, Abril e Maio de 1956.
Dois anos depois a peça é apresentada a peça “ Casar para morrer” e a comédia “Quem vê caras não vê corações”.
No ano de 1964, com a encenação de Zeferino Ferreira é levado a cena o drama em três actos “ Folhas soltas” e a comédia “Uma paragem de Malucos”.
No ano de 1973, Armando Santos leva a cena 4 peças, “ Nocturno de Chopin”, “As Andorinhas”, “Coroa de Rosas” e “Rosas todo o ano”.
Em 1979, este encenador consegue obter um grande êxito com a peça em três actos “ Gatunos de Luva Branca”
Devido á sua idade, corria o ano de 1980 quando Armando Santos encena as suas duas últimas peças, “Mar” de Miguel Torga apresentada entre Maio e Julho e ainda um extraordinário acto de variedades no mês de Setembro.
João Rodrigues, um “pupilo” de Armando Santos, inicia então a sua actividade no Grupo levando para palco peças como “ O Ser Sepulcro” e “Guernica”.
No ano de 1992, é levado a cena a peça de António Aleixo “ O Curandeiro” no mês de Outubro, e ainda as Revistas “ Ai que Grupinho” e “Café Valentim”. Nesse mesmo ano mas no mês de Dezembro é apresentado a comédia “O Criado do Tavares” e a Revista “São Só Cornélias”.
No ano seguinte é apresentado a Revista “ A Valentina”.
Em 1994, pela primeira vez é apresentada uma peça no 6º Festival de Teatro Amador do Concelho de Sintra, a comédia em dois actos “ Coisas do Sebastião”.
“Uma Casa de Doídos” foi a Comédia apresentada no ano de 1996, também participando no 7º Festival de Teatro Amador de Sintra.
“Ao Atiçar do Lume” de Joaquim Murale foi o drama de intervenção Social que o Grupo apresentou no ano de 1997, peça esta que foi apresentada várias vezes na colectividade e também em outros locais assim como no 8º Festival de Teatro Amador de Sintra, sempre com muito agrado.
No ano de 1998, o Grupo apresenta a Revista á Portuguesa “ Curva e Contra-Curva”, apresentada também no 9º Festival de Teatro Amador de Sintra, conseguindo nesse ano obter o Prémio Revelação para a jovem actriz Mara Vicente.
Em 1999, voltam a apresentar no 10º Festival de Teatro Amador de Sintra e várias vezes na colectividade a Revista á Portuguesa “ Afinal… não me Amava “
Após alguns anos parados o Grupo reinicia as suas actividades no inicio do ano de 2006 com apenas 5 membros e com imensas dificuldades voltaram a pôr de pé o Grupo e apresentaram no dia 24 de Abril, pelas comemorações do 32º aniversário do 25 de Abril, o espectáculo de variedades “Sons de Abril”, onde o Grupo de Teatro participou com uma pequena cena de Teatro, excerto da peça “As cores de Abril” e também com canções alusivas à época.

Em Dezebro de 2006 apresenta a comédia musical "Memórias de hoje, Memórias de sempre", numa alusão aos filmes portugueses.

Comentários

Anónimo disse…
Olá

Será que me ppodem ajudar a obter o texto "Gatunos de luva branca" ? Queria encenar cá na aldeia de Nagoselo do Douro...

muitos cumprimentos
Mário Alma
Anónimo disse…
Podem contactar-me por este email:
senhorsilva@gmail.com

obrigado

mário alma

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

Poema sobre o actor e o Teatro...

Vi este poema no blog da minha amigaSónia http://www.sombrasminhas.blogger.com.br/ , como gostei muito, tomei a liberdade de o publicar aqui...

Poema acto III "O actor acende a boca. Depois os cabelos. Finge as suas caras nas poças interiores. O actor põe e tira a cabeça de búfalo. De veado. De rinoceronte. Põe flores nos cornos. Ninguém ama tão desalmadamente como o actor. O actor acende os pés e as mãos. Fala devagar. Parece que se difunde aos bocados. Bocado estrela. Bocado janela para fora Outro bocado gruta para dentro. O actor toma as coisas para deitar fogo ao pequeno talento humano. O actor estala como sal queimado.
O que rutila, o que arde destacadamente na noite, é o actor, com uma voz pura monotonamente batida pela solidão universal. O espantoso actor que tira e coloca e retira o adjectivo da coisa, a subtileza da forma, e precipita a verdade. De um lado extrai a maçã com sua divagação de maçã. Fabrica peixes mergulhados na própria labareda de peixes. Porque o actor está co…

"Eu cá nunca fiz Teatro!"

Image in http://flyingshoesstudio.blogspot.pt/

"Eu cá nunca fiz Teatro! Não tenho jeito para isso."

Isto é o que dizem muitas pessoas, não tendo noção na realidade, o quanto somos actores durante toda a nossa vida. Toda a vida nós passamos por momentos em que de uma maneira ou de outra nós somos actores e actrizes mesmo inconscientemente. Sempre que falamos, sorrimos, acenamos, beijamos alguém pela qual nós não nutrimos uma simpatia profunda, estamos a ser actores...

Definição de actor: "Sujeito que interpreta determinado papel ou guião, representando, ou incorporando certa personagem (...) Pessoa dissimulada ou fíngida."in/http://www.lexico.pt

Um actor que estuda, se prepara para apresentar um peça de Teatro, defronta-se com mais ou menos dificuldades em criar a figura que lhe foi confiada. 
Como criar por exemplo uma personagem de um esquizofrénico? Pesquisa-se, tenta-se falar com alguém que o seja (se bem que …