Avançar para o conteúdo principal

Sónia Castro- The Interview



- O Teatro entrou na tua vida por acaso, ou era um sonho que tinhas?
Pode dizer-se que começou por acaso e transformou-se em sonho. O Teatro anunciou-se na Escola Primária, em S. João da Madeira. Tal como aos meus colegas, a professora atribuía-me uma personagem e eu cumpria o pedido. Nessa fase, eu gostava mais de dançar e cantar. Já na Peparatória, em Santa Maria da Feira, ingressei na Dança, como actividade extra-curricular, e através da qual participava nos espectáculos que a escola preparava. No 6º ano, na peça de fim de ano lectivo, para além de dançar, também me desafiaram para fazer teatro. E eu não disse que não. Dançar e representar: “Eureka”! Mais tarde, por altura do 9º ano e pela quase que “obrigatoriedade” de escolher uma profissão e uma área para o futuro, o que descobri em mim foi o mundo do espectáculo. Queria poder representar e cantar e dançar como forma de vida. E aí sim, nasceu o Sonho!

- Para além da experiência de Teatro Amador, também pisaste pelo menos uma vez um palco com profissionais, as diferenças são muitas?
Considero-me uma privilegiada por já ter experimentado o teatro amador, o universitário e o profissional. Naturalmente há diferenças, mas nem vou referir as possibilidades orçamentais que uns poderão ter e os outros não. Neste caso, o dinheiro não é tudo e não serve de desculpa para o que se pode ou não construir. Penso que a questão primordial (e sublinho que é uma reflexão muito pessoal) é que no teatro profissional, estamos lado a lado com pessoas com formação teatral, com muita bagagem e que nunca dão por terminada a sua aprendizagem. Pessoas que querem evoluir constantemente. Pessoas que vêem o trabalho que outros colegas em outras companhias fazem. E pessoas que sabem que cada pessoa que está na plateia pagou um bilhete para ver um espectáculo e que, por isso, merece que cada actor, cada técnico dê o seu melhor. E é o que infelizmente não se encontra em alguns grupos de teatro amador. Para mim, profissionalismo não se aplica apenas aos profissionais.

- O que procuras no Teatro, ser o que nunca foste, ou aplicar algo de ti nas tuas personagens?
O Teatro é uma forma de ser o que não sou, nunca fui e que provavelmente nunca serei. E o ideal é que as minhas personagens tenham muito pouco de mim. Quanto mais conseguir afastar-me de mim, melhor será a minha interpretação! É isso que, para mim, é ser actor ou actriz.

- Fizeste alguma personagem que te tenha marcado mais profundamente, que tenha sido difícil o desapego a ela?
Tenho de referir a personagem que abracei durante cerca de três meses (e mais um mês e pouco de ensaios), cinco dias por semana, no Teatro da Trindade, em Lisboa. Eu era uma das guerreiras lusitanas da peça “Viriato”, encenada por Jorge Fraga e escrita por Diogo Freitas do Amaral. Foi muito intensa, não tanto a personagem, mas toda a experiência e o trabalho de grupo. E foi tão difícil separar-me dela! No último espectáculo, no momento dos aplausos, as lágrimas apoderaram-se de mim. E isso só me aconteceu nessa vez! Os dias posteriores, já sem correr para o Trindade, foram como que vazios e  tristes. Portanto, isto tem de significar alguma coisa...

- Que tipo de Teatro não gostas? Porquê?
Não posso falar de um tipo específico de teatro. Não gosto do teatro que é oco e que não me emociona. E emocionar tem tanto de rir como de arrepiar. Não gosto do teatro que é, como costumo dizer, “só plumas e lantejoulas” e que depois não tem conteúdo. E não tenho nada contra as plumas e lantejoulas, até gosto muito, mas o espectáculo tem de ser e ter mais do que isso.

- O que gostarias de voltar a ser em palco?
Prefiro pensar no que ainda não fui em palco. Há tudo por fazer e experimentar!

- Uma mensagem para este Dia Mundial do Teatro.
Aproveito o Dia Mundial do Teatro para deixar uma mensagem para quem faz teatro, principalmente amador: tenham vontade de fazer mais, de evoluir, de ver mais teatro, de apostar na formação, de ler muito, de experimentar vários estilos e textos e autores. E claro, é preciso reflectir sobre o teatro. Porque ele é muito mais do que um passatempo que serve para mostrar aos amigos e à família que se sabe fazer uma ou outra coisa engraçada. E mais: sejam (auto-)críticos e humildes.
E aproveito também para deixar uma mensagem para os possíveis públicos: desafiem-se a ir ao teatro. “Não negue à partida uma ciência que desconhece!” É curioso ouvir pessoas comentarem que não gostam de teatro, mas logo a seguir dizem que nunca foram ver uma peça. E não digam que o teatro é caro. Há teatros (profissionais) onde é possível assistir a uma peça por 5, 6, 7 euros. Não é um luxo, pois não?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

Carta ao Jornal "Meia-Hora"

Teatro por amor à camisola...

Quando li o editorial do vosso 1º número, chamou-me a atenção falarem da liberdade de expressão, hoje qualquer um de nós pode falar no próprio tema sem qualquer problema, ou pelo menos pensamos nós que sim.
Precisamente por isso, resolvi escrever-vos. Resolvi propor-vos que façam uma pesquisa e dêem uma oportunidade a quem trava “duras” batalhas pela sua própria liberdade de expressão. De entre muitos que o fazem eu pertenço a um desses grupos, os grupos de teatro amador. Pode até parecer estranho, mas sim, estes grupos lidam todos os dias com as mais adversas dificuldades para pôr de pé um espectáculo por mais pequeno e simples que seja.
Desde orçamentos reduzidos quando não inexistentes, carência de actores e técnicos, tentativas de agradar a “gregos e a troianos” (vulgo público) e uma força de vontade de sonharmos ser um bocadinho maiores do que na realidade somos, de tudo nós temos um pouco.
Quando se fala que existe falta de público para assistir a peças…

Poema sobre o actor e o Teatro...

Vi este poema no blog da minha amigaSónia http://www.sombrasminhas.blogger.com.br/ , como gostei muito, tomei a liberdade de o publicar aqui...

Poema acto III "O actor acende a boca. Depois os cabelos. Finge as suas caras nas poças interiores. O actor põe e tira a cabeça de búfalo. De veado. De rinoceronte. Põe flores nos cornos. Ninguém ama tão desalmadamente como o actor. O actor acende os pés e as mãos. Fala devagar. Parece que se difunde aos bocados. Bocado estrela. Bocado janela para fora Outro bocado gruta para dentro. O actor toma as coisas para deitar fogo ao pequeno talento humano. O actor estala como sal queimado.
O que rutila, o que arde destacadamente na noite, é o actor, com uma voz pura monotonamente batida pela solidão universal. O espantoso actor que tira e coloca e retira o adjectivo da coisa, a subtileza da forma, e precipita a verdade. De um lado extrai a maçã com sua divagação de maçã. Fabrica peixes mergulhados na própria labareda de peixes. Porque o actor está co…