Avançar para o conteúdo principal

"Road" mais um sucesso no caminho do Contrasenso!


O grupo de Teatro Contrasenso, está prestes a estrear a sua próxima peça, ou melhor o seu próximo musical "Road".
A sínopse que passo a transcrever está disponivel num dos seus cantinhos e conta então:

"E se um dia subisses ao topo de uma montanha e lançasses ao vento uma carta, esperando que esta chegasse à pessoa que o destino te havia reservado?
Foi isso que Charlotte fez, antes de partir numa das muitas viagens que caracterizam a sua vida. Charlotte é uma jovem sonhadora, que vive a vida a viajar de cidade em cidade, acompanhando a sua Mãe, que não consegue criar laços em nenhuma parte do mundo. Desejosa de se fixar num sítio e estabilizar a sua vida, a jovem vai viver a maior aventura da sua juventude. A acção decorre nos anos 50 em território Norte Americano no limiar da integração racial.
Madeleine, mãe de Charlotte, é uma mulher de ideias conservadoras, mas com um estilo muito moderno, que não deixa ninguém indiferente. Tem duas filhas, Charlotte e Linda, que arrasta consigo de cidade em cidade, à procura de uma nova vida. Para a nova cidade onde vão viver, a integração racial é já uma realidade, ideia à qual Madeleine não se habitua, despoletando confrontos ideológicos e conflitos de gerações.
Numa das muitas festas multiculturais que existem na cidade, Charlotte apaixona-se por Jimmy, mas este parece não nutrir qualquer interesse pela jovem, pois sabe-se que ele vive apaixonado, mas ninguém sabe por quem.
Conseguirá Madeleine aceitar nova realidade? Poderá Jimmy responder ao Amor de Charlotte?
Road! É uma metáfora para a realidade vivida ainda hoje em muitos cantos do mundo, traduzindo o negro do alcatrão sinalizado com listas brancas, o percurso que o homem delimita para aqueles que discrimina. É um apelo à liberdade, aos valores individuais de cada um. Um musical que pretende despertar as mentalidades e os sentidos através de melodias e coreografias contagiantes."


Este então é mais um sucesso garantido na já consideravél carreira deste grupo e também na qualidade de encenador/autor Miguel Mestre, que este ano completa 13 anos a dar cartas no âmbito do teatro amador. Quem conheçe o trabalho, sabe que cada nova peça, surpreende sempre pela positiva.
Dia 11 vai ser então a ante-estreia no Auditório Fernando Pessa, Bela Vista - Lisboa.
Não vale a pena pensar ir à ante-estreia, pois a lotação esgotou. Agora é tentar fazer a marcação no Teatro da Malaposta em Odivelas através do nº 219383100 .

Que corra então tudo bem e já sabem.... arrasem!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

Poema sobre o actor e o Teatro...

Vi este poema no blog da minha amigaSónia http://www.sombrasminhas.blogger.com.br/ , como gostei muito, tomei a liberdade de o publicar aqui...

Poema acto III "O actor acende a boca. Depois os cabelos. Finge as suas caras nas poças interiores. O actor põe e tira a cabeça de búfalo. De veado. De rinoceronte. Põe flores nos cornos. Ninguém ama tão desalmadamente como o actor. O actor acende os pés e as mãos. Fala devagar. Parece que se difunde aos bocados. Bocado estrela. Bocado janela para fora Outro bocado gruta para dentro. O actor toma as coisas para deitar fogo ao pequeno talento humano. O actor estala como sal queimado.
O que rutila, o que arde destacadamente na noite, é o actor, com uma voz pura monotonamente batida pela solidão universal. O espantoso actor que tira e coloca e retira o adjectivo da coisa, a subtileza da forma, e precipita a verdade. De um lado extrai a maçã com sua divagação de maçã. Fabrica peixes mergulhados na própria labareda de peixes. Porque o actor está co…

"Eu cá nunca fiz Teatro!"

Image in http://flyingshoesstudio.blogspot.pt/

"Eu cá nunca fiz Teatro! Não tenho jeito para isso."

Isto é o que dizem muitas pessoas, não tendo noção na realidade, o quanto somos actores durante toda a nossa vida. Toda a vida nós passamos por momentos em que de uma maneira ou de outra nós somos actores e actrizes mesmo inconscientemente. Sempre que falamos, sorrimos, acenamos, beijamos alguém pela qual nós não nutrimos uma simpatia profunda, estamos a ser actores...

Definição de actor: "Sujeito que interpreta determinado papel ou guião, representando, ou incorporando certa personagem (...) Pessoa dissimulada ou fíngida."in/http://www.lexico.pt

Um actor que estuda, se prepara para apresentar um peça de Teatro, defronta-se com mais ou menos dificuldades em criar a figura que lhe foi confiada. 
Como criar por exemplo uma personagem de um esquizofrénico? Pesquisa-se, tenta-se falar com alguém que o seja (se bem que …