Avançar para o conteúdo principal

"Vida ao quadrado"

O excerto do texto que aqui deixo faz parte da peça "Vida ao quadrado" e conta a história de quatro mulheres cada uma com problemas diferentes.
A personagem principal (presa 1), é uma adolescente (mãe solteira), toxicodependente, presa por acusação de homicidio e com problemas de esquizofrenia (relacionadas com o consumo de droga).
A Guarda prisonal é uma mulher amargurada pela perca da filha, de ressentimentos guardados e algo bruta.
A presa 2 é uma mulher paranoica com a sua condiçaõ de prisioneira, quer controlar tudo e todos.
A advogada é meia-irmã da personagem presa 1, apesar de ser advogda de defesa faz de tudo para arruinar a vida da irmã, a mando do pai.
Esta peça retrata algumas situações bastante reais, como a inveja, a toxicodependência, a gravidez na adolescência, entre outras situações.

"Presa 1 – Estive a sonhar com o sol, com as nuvens, elas pareciam algodão doce. Vi-te correr para mim, tinhas tantos caracóis... e eu afagava-te o cabelo. Tu sorrias, depois fugiste e eu corri atrás de ti, mas já não te consegui apanhar. Fugiste e eu não fui capaz de ir atrás de ti. Mas não importa, foi só um sonho mau, tu estás aqui e eu vou proteger - te sempre. Quando sair daqui a nossa vida vai mudar. Não vou voltar a tocar em nada, vou arranjar um trabalho, vou voltar a ter uma vida.
E vamos ser muito felizes, filho. Vamos, não vamos? Tu vais ajudar a mãe a ser uma pessoa melhor.
Vamos construir tudo de novo, vou dar-te o amor e o carinho que nunca tive.

(Mudando de atitude, olhando para um dos lados do palco, como se estivesse a ver alguém, fala de forma a ganhar uma personalidade agressiva)

O que é que tás aqui a fazer? Vai-te embora, vai, desaparece da minha vida...

(Agarrando na cadeira ameaçando a personagem imaginária)

Vens roubar o meu filho outra vez? Não vou deixar, vou enfrentar-te cara a cara. Matei-te uma vez, matar-te-ei quantas vezes forem precisas, mas o meu filho não mo vais tirar.
Lembras-te? Quando eu te disse que estava grávida, eu estava tão feliz. E tu?
Tu nem quiseste saber, mandaste-me para a má vida e quando te disse que não ia, bateste-me porco.
Um dia, tavas tão passado, que tiveste a lata de me dizer que eu tinha que abortar.
O quê? É que nem penses, respondi eu, se não queres este filho, eu quero, é a minha razão de viver.
Nessa noite quando estavas a dormir, nem deste conta, sufoquei-te até à morte e não me arrependo de nada, fazia-o de novo, quantas vezes...

(Ouvem-se do lado de fora do palco baterem na parede e gritarem)

Vozes – Cala-te ó xanfrada, o pessoal quer dormir...
Gaja, vê lá se te calas, se não vamos ai e cortamos-te o pio...

(Guarda entra e pergunta-lhe)

Guarda – Então, hoje não se dorme?

Presa 1
– Ele está ali, veio cá para levar o meu filho. Tás a vê-lo? Ali, encostado à parede...

Guarda – Está descansada que ele vai-se já embora.

(Guarda dirige-se quase à boca de palco e faz de conta que está a falar com alguém)

Ó rapazinho, vá, põe-te na alheta. A andar daqui para fora. Vá lá...
Vês como ele é obediente, já foi...

Presa 1 – Ele ainda tá ali à porta a rir-se de mim.

Guarda – Não ouviste o que eu te disse? Lá para fora....
Agora nós, o que é que se passa hoje? Não consegues dormir?

(Presa 1 vai - se sentar na cama abraçada aos joelhos, balançando o corpo. Guarda fica de pé a ver)

Presa 1 – Eu quero dormir, mas a minha cabeça não me deixa... Tenho tudo misturado cá dentro. Sinto-me angustiada...

Guarda - É normal, estás a viver um momento de grande pressão. Mas tens de te acalmar, isso não faz bem nenhum ao teu bebé. Ou queres que ele já venha para ai a berrar que nem um bezerro. Vá lá, tens que descansar...

(Guarda senta-se na cama, fazendo com que a Presa 1 se deite no seu colo)

Eu fico aqui até tu adormeceres...

Presa 1 – Tu tens filhos?

Guarda – Tive, uma filha... mas morreu. Devia ter agora seis anos, mas morreu... a minha filha morreu.

Presa 1 – Contas-me uma história?

(Guarda assentindo com a cabeça, faz-lhe festas no cabelo e conta-lhe a história)

Guarda – Era uma vez uma pequena sereia, tinha os olhos azuis, profundos como o mar, o seu cabelo era um emaranhado de algas que soltavam um perfume suave, único. Quando nasceu parecia um pequeno botão que aos poucos foi desabrochando. O mundo foi-se apresentando a ela, a vida foi-se renovando a cada dia que passava. As cores do arco-íris eram ainda mais intensas no fundo do mar. Até que chegou um dia em que o ciclo de vida se fechou, as cores já não eram vivas, mas sim sombrias, o sorriso da menina foi-se apagando, até que um dia desapareceu por completo. Um eco profundo invadiu o fundo do mar, deixando todos quantos lá viviam tristes com a partida da menina....

(Presa 1, acaba por adormecer, guarda continua a contar a história acaba por adormecer. Luzes baixam ficando o palco quase na escuridão.
Luzes voltam a acender e a Presa 2 entra em cena, gozando com a situação)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

Poema sobre o actor e o Teatro...

Vi este poema no blog da minha amigaSónia http://www.sombrasminhas.blogger.com.br/ , como gostei muito, tomei a liberdade de o publicar aqui...

Poema acto III "O actor acende a boca. Depois os cabelos. Finge as suas caras nas poças interiores. O actor põe e tira a cabeça de búfalo. De veado. De rinoceronte. Põe flores nos cornos. Ninguém ama tão desalmadamente como o actor. O actor acende os pés e as mãos. Fala devagar. Parece que se difunde aos bocados. Bocado estrela. Bocado janela para fora Outro bocado gruta para dentro. O actor toma as coisas para deitar fogo ao pequeno talento humano. O actor estala como sal queimado.
O que rutila, o que arde destacadamente na noite, é o actor, com uma voz pura monotonamente batida pela solidão universal. O espantoso actor que tira e coloca e retira o adjectivo da coisa, a subtileza da forma, e precipita a verdade. De um lado extrai a maçã com sua divagação de maçã. Fabrica peixes mergulhados na própria labareda de peixes. Porque o actor está co…

"Eu cá nunca fiz Teatro!"

Image in http://flyingshoesstudio.blogspot.pt/

"Eu cá nunca fiz Teatro! Não tenho jeito para isso."

Isto é o que dizem muitas pessoas, não tendo noção na realidade, o quanto somos actores durante toda a nossa vida. Toda a vida nós passamos por momentos em que de uma maneira ou de outra nós somos actores e actrizes mesmo inconscientemente. Sempre que falamos, sorrimos, acenamos, beijamos alguém pela qual nós não nutrimos uma simpatia profunda, estamos a ser actores...

Definição de actor: "Sujeito que interpreta determinado papel ou guião, representando, ou incorporando certa personagem (...) Pessoa dissimulada ou fíngida."in/http://www.lexico.pt

Um actor que estuda, se prepara para apresentar um peça de Teatro, defronta-se com mais ou menos dificuldades em criar a figura que lhe foi confiada. 
Como criar por exemplo uma personagem de um esquizofrénico? Pesquisa-se, tenta-se falar com alguém que o seja (se bem que …