Avançar para o conteúdo principal

Opcções Teatrais...

Passados 78 anos de trabalho, este Grupo encontra-se mais uma vez na fase de criativa de uma nova peça de teatro.
Não é um texto de nenhum autor conhecido, pois os orçamentos que temos para cada novo projecto é de preferência, o mínimo possivél... logo os gastos em pagamentos de direitos de autor são incomportáveis.
Já que falamos em orçamentos e fugindo um pouco ao tema deste pos't, quero contar um pequeno episódio, que me aconteceu. Há umas semanas atrás, por "descuido" veio-me parar à mão uns papeis, onde estavam descriminados os valores de apoio que a CMS vai dar a grupos amadores, mas atenção, quando falo em grupo amadores e agora pasmem-se... são todos os grupos de qualquer coisa... amadores, todos, exceptuando os Grupos de Teatro.
Portanto, nós não existimos... É de facto muito triste... Mas passando à frente.
Quando um grupo pensa em começar um novo projecto, ou se têm alguém que se saiba "mexer", ou que tenha pelo menos dinheiro para comprar os direitos das peças de autor, ou agarramos em textos de ano de 188... e troca o passo (que me perdoem, mas muitas dessas textos, não se adequam à realidade do teatro amador português), ou então existe alguém no grupo, que escreve umas coisas e lá se escolhe o novo projecto.
Foi o que aconteceu mais uma vez. Desta vez o texto é meu, escrevi-o propositadamente para a situação actual do grupo (4 mulheres), mas acreditem que apesar de já termos lido bastantes vezes e de me dizerem que o texto está bom, continuo com receios, umas vezes que não esteja assim tanto à altura, outras que tenha exagerado em algumas cenas e outros dilemas que tais...
Sim, porque não me esqueço na altura do "Esboço...", que apesar de as críticas terem sido óptimas, existir sempre alguém a desfazer o que já está feito...
Quando falo nisso, falo por exemplo da questão de alguém ter referido " Agora que começaram a fazer textos escritos por eles, não vão querer fazer mais nada." (As palavras podem não ter sido à risca estas , mas a ideia é esta).
E eu pergunto, e isso é mau?
Um grupo ter capacidade de criar trabalho é negativo? Penso que não...
Tenho presente na memória, o dia em que se leu a 1º vez esse texto e toda as pessoas que estavam naquela sala foram peremptórias a concordar, "Temos peça... Fantástico!..." e foi, apesar de todas as dificuldades e mil e uma peripécias pelo meio, o resultado final foi o que se viu.
Com o texto de "Vidas ao quadrado" espero que consigamos fazer tão bem ou ainda melhor, do que já fizemos no passado.
Este texto nasceu de uma conversa de circunstância e em dois meses passou a ter forma.
Agradeço ao Mauro, ao Vitor, à Rafa e à Andreia as nossas conversas de "circunstância", pois sem elas este projecto não existiria.
Já agora... é um orgulho imenso ter um texto meu, no palco do G.B., após 13 anos dedicados ao Teatro Amador.
Acredito que nós as quatro (Rafa, Andreia, Gui e eu) vamos mais uma vez provar, que não é preciso agarrar em textos de grandes autores, para fazer brilhar o pirilampozinho que existe dentro de nós....

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Peça de Natal "Os Espíritos de Natal"

Faltando menos de três meses para o Natal, começa a procura de textos, versos, canções para a quadra natalícia. Num outro blog que tenho http://bluestrassbychristmas.blogspot.pt, tenho lá um texto escrito por mim. Ao fazer a pesquisa no Google por "Peça de Teatro de Natal" congratulo-me de dizer que a minha página é a segunda mais procurada. Logo achei por bem, colocar aqui também a dita peça, uma vez que este cantinho trata de partilha de opiniões, de textos teatrais.
Este ano não é excepção, a dita peça vai estar disponível em ambos os blogs, sem que qualquer grupo ou particular tenha que pagar direitos de autor. Esta é a minha única peça colocada na íntegra na Internet.
Podem usá-la, apenas agradecia um email para sandra.cabacos@gmail.com ou deixando um comentário aqui, com indicações de que a vão fazer... não é pedir muito, pois não?? Também não vale a pena virem comentar que a história não é original, que as canções não são minhas, a minha única resposta será que escrev…

Carta ao Jornal "Meia-Hora"

Teatro por amor à camisola...

Quando li o editorial do vosso 1º número, chamou-me a atenção falarem da liberdade de expressão, hoje qualquer um de nós pode falar no próprio tema sem qualquer problema, ou pelo menos pensamos nós que sim.
Precisamente por isso, resolvi escrever-vos. Resolvi propor-vos que façam uma pesquisa e dêem uma oportunidade a quem trava “duras” batalhas pela sua própria liberdade de expressão. De entre muitos que o fazem eu pertenço a um desses grupos, os grupos de teatro amador. Pode até parecer estranho, mas sim, estes grupos lidam todos os dias com as mais adversas dificuldades para pôr de pé um espectáculo por mais pequeno e simples que seja.
Desde orçamentos reduzidos quando não inexistentes, carência de actores e técnicos, tentativas de agradar a “gregos e a troianos” (vulgo público) e uma força de vontade de sonharmos ser um bocadinho maiores do que na realidade somos, de tudo nós temos um pouco.
Quando se fala que existe falta de público para assistir a peças…

"Eu cá nunca fiz Teatro!"

Image in http://flyingshoesstudio.blogspot.pt/

"Eu cá nunca fiz Teatro! Não tenho jeito para isso."

Isto é o que dizem muitas pessoas, não tendo noção na realidade, o quanto somos actores durante toda a nossa vida. Toda a vida nós passamos por momentos em que de uma maneira ou de outra nós somos actores e actrizes mesmo inconscientemente. Sempre que falamos, sorrimos, acenamos, beijamos alguém pela qual nós não nutrimos uma simpatia profunda, estamos a ser actores...

Definição de actor: "Sujeito que interpreta determinado papel ou guião, representando, ou incorporando certa personagem (...) Pessoa dissimulada ou fíngida."in/http://www.lexico.pt

Um actor que estuda, se prepara para apresentar um peça de Teatro, defronta-se com mais ou menos dificuldades em criar a figura que lhe foi confiada. 
Como criar por exemplo uma personagem de um esquizofrénico? Pesquisa-se, tenta-se falar com alguém que o seja (se bem que …